Clientes da Copel ganham plataforma para resolver conflitos


Os clientes da Copel ganharam uma nova ferramenta para facilitar o dia a dia e solucionar conflitos com a companhia. Trata-se de uma plataforma de mediação online para intermediar, de forma rápida, demandas que costumam demorar mais tempo quando são judicializadas. A plataforma será responsável por contatar e dialogar com os consumidores, apresentar a proposta da Copel e mediar o processo de negociação. Tudo será online.


Essa parceria coloca a Copel no centro da transformação digital que tem contribuído para tornar as instituições públicas mais eficientes no relacionamento com a população”, ressalta o diretor Jurídico e Regulatório da companhia, Eduardo Vieira de Souza Barbosa. “Com a mediação online, nós atuamos de uma forma conciliadora, contribuindo para que os consumidores possam resolver seus problemas com a Copel e, ao mesmo tempo, reduzindo o número de processos no sistema judiciário”, acrescenta.


O processo funciona de uma forma muito simples. A equipe da plataforma entra em contato com os clientes que possuem algum processo judicial ou débitos com a Copel para fazer uma proposta de negociação. Caso o cliente tenha interesse na proposta, é realizado um acordo online, o que evita a necessidade de deslocamento, diminui prazos e ajuda a retirar processos da esfera judicial. Todos os acordos facilitados pela plataforma contam com os procedimentos adequados de segurança e validade jurídica previstos no Código de Processo Civil em vigor.


Na prática, disputas que poderiam demorar anos são resolvidas a um custo até seis vezes menor e em tempo até 30 vezes menor do que um processo judicial convencional, conforme dados da plataforma. Além da Copel, empresas como Itaú, Magazine Luiza, MercadoLivre e Caixa Econômica Federal utilizaram as soluções da plataforma MOL.


A plataforma


A MOL – Mediação Online atua na gestão, prevenção e resolução de conflitos. A plataforma permite que pessoas, empresas e instituições resolvam conflitos sem entrar na Justiça. Desde o envio do caso até a homologação do acordo com validade jurídica, tudo é realizado pela internet com tecnologia desenvolvida pela startup. Fundada em 2015 pelas empreendedoras Melissa Felipe Gava e Camilla Feliciano Lopes, a MOL é cadastrada no Conselho Nacional de Justiça, órgão que também concedeu o prêmio Conciliar É Legal à startup em 2019.

1 visualização0 comentário